Páginas

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Resenha do 2º Guardião Fest


É difícil começar a escrever assim, vários dias depois do show já, assim que passou aquela onda que o evento causou, portanto as palavras seguintes serão escritas com memórias que o tempo não irá levar, o que ficou de verdade daquela noite.

The Alchemists
The Alchemists

The Alchemist
O clima de evento fica no ar quando chega o dia... você fica pensando, poxa, é hoje e tal, mas quando chegou a noite foi que esse sentimento ficou mais forte, quando subimos no coletivo que ia pra penedo, que já estava praticamente cheio só dos roqueiros da região, cantando e fazendo algazarra no busão, todos no clima de, 'eu estou indo pro Guardião'.
Para quem não sabe, o Guardião é um bar lendário, encabeçado por uma pessoa muito simpática e psicodélica que é a Mary, onde tudo que é de alternativo a marginal é bem vindo, um espaço realmente perfeito para um show de rock. O evento que aconteceu foi a segunda edição, a primeira foi há 3 anos atrás.
O show começou com o The Alchemists, com um som a la Red Dons, letras em inglês um som trabalhado mas ao mesmo tempo com muita simplicidade, o públicou que já estava carente de rock começou a fervilhar quando os primeiros acordes foram dados, não poderia deixar de citar o cover de Minor Threat que rolou no show deles, cover até inesperado, mas muito bem vindo.





Assim que os alquismtas saíram foi hora da Ricto Máfia se arrumar pra tocar, quando um clima mais intimista foi tomando o ar da apresentação da banda, que por razões externas agora toca sem baixista. Com um setlist baseado em músicas mais novas, Ive e Rafael expulsaram com melodia e discargas empáticas todo o pessoal que estava no show só pra "agitar" na roda, fazendo só com que xs apreciadorxs do som ficassem para acompanhar o som harmônico entoado pelo vozeirão de Ive. Assim que terminou o show da Ricto saímos para fazer uma entrevista com a banda, e ao mesmo tempo começou a tocar a banda Plano B, que o som é bem Rapcore, como não pegamos o show delxs vou deixar aqui um vídeo da apresentação para vocês degustarem:

Depois da entrevista com a Ricto Máfia








Deaf Kids
Ainda fora do show por causa da entrevista não pegamos o show da banda Dreemon que tocava screamo, mas pelo pessoal que tive contato, no show as opiniões sobre o som da banda eram divergentes, e no geral não gostaram muito do som, e o que ouvimos do lado de fora também não era algo que curtíssemos.
De volta aos palcos com representantes de Volta Redonda, o Deaf Kids, (que inclusive estiveram no último show que rolou no estúdio Noise Terror em sampa, que fizemos uma resenha (que você pode conferir clicando aqui) o show da banda é com certeza marcado pela energia frenética e o clima de ateísmo, o som dos berros no microfone junto com a bateria que mais parece uma sequência de socos nos ouvidos de quem está presente são acompanhados por um baixo ensurdecedor e agressivo, clima que literalmente derrubou o guitarrista/vocalista no meio da apresentação e ficou tocando ali mesmo num estado de frenesi musical e fúria sempre encontrada em bons shows de hardocore, Deaf Kids é isso tudo enfim.


Deaf Kids
Deaf Kids















Não existiria clima mais perfeito para uma banda como o Ungrave entrar, logo após um show como aquele do Deaf Kids, o Zähc (antigo nome do Ungrave que significa Zumbi Attack Hardcore) veio com tudo para simplesmente vomitar com os vocais insanos de xDinox toda a revolta de mais 5 anos de banda em cima do resto do pessoal que ficou, a essa altura já eram 5 da manhã! Ninguém tinha mais energia pra fazer roda ou
xDinox berrando
se balançar apenas pra se manter em pé e abrir os ouvidos para a desgraça sonora que esse power trio bizarro (infelzimente a banda também não tem baixista, mas por razões internas) formado pelos mesmos membros do Bandana Revenge (o Zähc na verdade é um side project do Bandana) que são xDinox nos vocais como já citei, Fritz na guitarra e Robinho of The Deads na bateria e backing berros. O último som da banda foi carinhosamente dedicado por xDinox a nós do Terra Sem Lei (Xi Drinx e xsuxsuzetex), que viemos de longe (SP e BA não é mole não), também para a galera resistente até o fim, e à Mary, que aguentou essa zoada toda.
Robinho na Batera
O assim terminou mais um Guardião Fest, espero mesmo poder estar no próximo, o show foi foda, houve sim o pessoal que encheu o saco querendo brigar, pessoas sem noção achando que havia algum ringue sem ter noção do espaço ao redor, gente idiota fumando no local fechado, mas gente mal educada não faz diferença nenhuma por isso não demos enfâse a isso. Parabéns para Robinho, Ive, Rafael, xDinox, Fritz, Ramon e todo o pessoal que fez os corres aí pro evento acontecer, Resende não teria mais cena se não fosse por vocês pessoal!
Ungrave em ação
Antes de terminar quero dizer aqui também que espero que bandas como a Ricto Máfia e a Ungrave não permaneçam sem baixista, é uma vergonha uma cena não ter gente que tenha responsabilidade suficiente pra assumir os graves de bandas tão importantes e históricas na cena da cidade!
Fritz



xDinox, Fritz, Ramon, G-Zuis, Xi Drinx, xsuxsuzetex e Robinho

 














Fim de show, com o sol nascendo

















Texto por Xi Drinx e Revisão por xsuxsuzetex.

Nenhum comentário:

Postar um comentário